Arquivo do Autor

h1

Cadilac, bi-bi!

27/05/2010

Por Juliana Narimatsu

Sim, caro leitor, hoje irei falar sobre um Cadilac, ou melhor, uma! Achou estranho? O que carro tem haver com sexo? Na verdade tem, e muito! Conhece a Rita? Rita Cadilac? Pois é, leitor, irei falar sobre seu filme Rita Cadilac, A Lady do Povo (aprecie com moderação), além de contar um pouco da história sobre a ex-chacrete.

Rainha do Bumbum Read the rest of this entry ?

h1

Vamos falar de sexo?

20/05/2010

Por Juliana Narimatsu

Caro leitor, este post irá falar sobre sexo. Novidade? Sim, porque não irei discutir sobre a tradicional transa; aquela que envolve o contato físico mesmo. Hoje, irei aprofundar o assunto em meios que existem para fazer o sexo sem seu parceiro estar do seu ladinho (ou em cima, em baixo…como queira). Sabe os meios de comunicação? O telefone e a internet? Pois é, leitor, fique de olhos (todos os sentidos) bem abertos, porque o post irá tratar sobre esses dois temas: sexo por telefone e virtual.

Read the rest of this entry ?

h1

Caras ou Coroas?

13/05/2010

Por Juliana Narimatsu

Caro leitor, você já se deparou com um casal em que suas idades são bem diferentes visivelmente? Ou você mesmo já se encontrou nessa situação: gostar de se relacionar com uma pessoa que não possui a mesma idade que você? Pois é, leitor, estava eu folheando a revista Gloss deste mês, quando me deparei com uma matéria que tratava sobre esse questão. É interessante discutir sobre esse assunto, pois está sendo cada vez mais comum na sociedade, porém ainda visto com certo preconceito. Assim, o Pura Volúpia discutirá sobre esse dilema: as diferenças entre os homens mais velhos e mais novos num relacionamento.

Cara

Por que as mulheres mais velhas gostam de homens mais jovens?
Segundo a psiquiatra e psicoterapeuta, Lucia Maciel, existe uma explicação biológica para esse tipo de escolha: “A expectativa de vida da população feminina é maior. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em média, a mulher brasileira vive até 72,6 anos e os homens 64,6. Assim, esse tipo de relacionamento deveria ser mais aceito, levando em conta o ponto de vista biológico, mas não é o que acontece”.
Casais famosos, como Madonna e Jesus Luz, Demi Moore e Ashton Kutcher, derrubaram as barreiras de preconceito que existem na sociedade. Porém, grande parte das mulheres mais velhas sofre resistência em se relacionar com um jovem, pois, de acordo com a psiquiatra, Lucia, “as pessoas logo concluem que o homem está com a mulher porque quer dinheiro ou ascensão social. A primeira reação é de estranheza ao se deparar com um casal em que a mulher é mais velha”.

Ashton Kutcher e Demi Moore, 15 anos de diferença entre os dois

Parênteses: Entrevista ao Programa Fantástico (maio 2009): Jesus Luz comenta sobre Madonna (antes de oficializar o namoro) e fala sua opinião sobre ser o “toy boy” da cantora.

Um caso que enfrentou essas dificuldades foi o envolvimento da psicóloga Fernanda Gama com um rapaz de 18 anos. Fernanda precisou lidar com as críticas de amigos e da própria família para sustentar o relacionamento. Sua história se iniciou pela Internet. O casal se conheceu e se apaixonou, mesmo morando em cidades diferentes. “Foram muitas decepções com homens ‘maduros’. Decidi quebrar esse padrão, experimentando uma relação com um menino mais novo, que me ajudava a crescer junto com ele.”, conta Fernanda, “A mãe dele chegou a pensar que eu fosse pedófila ou que tivesse algum problema mental porque ficava correndo atrás dele”.
Um exemplo por essa preferência seria a da coordenadora de marketing, em entrevista com a revista Gloss, Carolina Oliveira. Carolina, 29, já transou com um homem de 45 anos, porém, tem preferência por jovens que ela, “Eles estão dispostos a aprender, mas abertos. Já os mais velhos são mais teimosos, querem fazer tudo do jeito deles, tanto no sexo, como no cotidiano. Tratam a gente como se fossem filhas deles, relata.
Vantagens
Sim! Existem alguns motivos para que as mulheres optem por esse tipo de relacionamento, de acordo com o site
Mulher Terra; e o Pura Volúpia selecionou os benefícios principais desta relação com homens mais novos:
1) Sexo: misture experiência e conhecimento com energia e potência: um drinque perfeito!
2) O jovem não carrega tantas história como um homem casado ou separado, além de possivelmente não ter filhos (não tendo muitas preocupações). Ele ainda pode possuir a idéia de constituir uma família.
3) Por não ter tantas responsabilidades, a agenda dele é praticamente livre para planejar viagens, saidinhas e todos os outros
mil programas que podem fazer.
4) Uma pessoa mais jovem não leva uma bagagem de manias que um homem mais velho provavelmente possui.
Desvantagens

Mesmo com tanta “disposição” que os mais jovens oferecem, há, ainda, desvantagens por escolher esse tipo de compromisso. Além de o homem, geralmente, não possuir estabilidade financeira e não ter responsabilidades – assim, você pode ser aquela que leva o relacionamento nas costas –, também não é raro que apareça alguns pensamentos inseguros na cabeça das mulheres. O principal deles é o medo de ser trocada por outra da mesma idade do rapaz, “É difícil pensar que ele pode se interessar por uma menininha da idade dele, mais nova, bonita e gostosa. Daqui a alguns anos, ele ainda estará um garoto e eu, apesar de me cuidar, tenha 14 anos na frente em tudo”, relata Adriana Mariano.
Entretanto, a psicóloga Olga Tessari rebate esse argumento, dizendo que da mesma forma que há insegurança para as mulheres, também existe nos mais novos, “Insegurança sempre vai haver, não importa a idade do casal. E, da mesma forma que a mulher se sente ameaçada por uma menina, ele também pode se sentir por um homem mais velho”.
Também existe a questão de o jovem confundir a mulher com a mãe. Porém, para isso, Luciana Faria, pedagoga que ficou noiva de um rapaz 13 anos mais novo, responde: “Procuro sempre estar no nível do cara, para não fazer papel de mãe. Tomo cuidado para ouvi-lo e sem passar sermão ou moralismos”.

Coroa

Porque mulheres mais jovens procuram homens mais velhos?
De acordo com uma enquete feita pelo site Feminice com mais de 100 pessoas, 56% delas respondeu que namorariam com homens mais velhos, 36% disseram que talvez e só 8% falaram que nunca iriam ter esse tipo de relacionamento. Segundo a psicóloga Lourdes Brunini, esse tipo de escolha é devido, na maioria das vezes, a busca de proteção, segurança e confiança que os homens mais maduros podem oferecer. “Como ele tem muito mais experiência, ensina, conduz, inclusive sexualmente. O homem mais velho sabe como dar prazer à mulher. Porém, esse encontro também se dá por outros motivos. Na nossa cultura, ser honesto, responsável e realizado significa ser sério, e, muitas vezes, a mulher quer isso”.
Muitos famosos possuem essa relação, como é o caso de Katie Holmes e Tom Cruise, e, Catherine Zeta-Jones e Michael Douglas. A mídia também expôs esse tipo compromisso na novela America, com o casal Glauco e Lurdinha (apesar de ser um relacionamento que envolva traição).

Grande parte das mulheres encontram quase as mesmas dificuldades que se tem com um casal de uma mulher mais velha e um homem mais jovem: a discordância da família, amigos e sociedade, a aparência de que o mais novo sempre terá interesses financeiros com o mais velho, entre outros. “Sempre gostei de homens maduros. Eles têm outra cabeça e o relacionamento torna-se diferente. Às vezes, as pessoas fazem perguntas como ‘ela é sua filha?’, mas nós levamos na brincadeira. O preconceito maior é da minha mãe, que, apesar de achá-lo legal, não aceita nossa relação”, comenta Fernanda Mattos, 19, que completa dois anos de namoro com Antonio Martins, 42.

Tom Cruise, 47, e Katie Holmes, 31

Vantagens
Os homens mais velhos também podem trazer grandes benefícios no relacionamento, segundo a psicóloga e terapeuta sexual, Margareth dos Reis:
1) Os homens mais velhos geralmente são bem sucedidos e possuem maior experiência para seduzir, dando segurança emocional para quem está começando a vida afetiva.
2) Sexo: os mais velhos costumam ser mais preocupados em atender os prazeres da parceira. Assim, valorizam as preliminares, “A mulher mais jovem ainda não está familiarizada com o próprio corpo e o homem mais velho sabe conduzir a relação e estimular a mulher a sentir mais prazer”, diz a psicóloga.
3) Eles têm capacidade maior para serem flexíveis e se adaptarem as várias situações, alem de serem mais protetores, românticos e cavalheiros
Desvantagens
Nesse tipo de relacionamento, a mulher precisa compreender o histórico que seu parceiro carrega, enfrentando, possivelmente, ex-mulher e filhos. A jovem tem que entender que o homem mais velho possui grandes responsabilidades, tendo que o dividir com as diversas situações que ele vive. Então, a mulher mais nova precisa “pular uma fase da vida, afirma psicóloga Lourdes, tendo que ser mais madura do que a sua própria idade.

Dificuldades sexuais
Conforme a matéria da revista Gloss, é de extrema importância ter conhecimento sobre as dificuldades sexuais de cada idade
.
A
ejaculação precoce, como exemplo, é uma disfunção mais comum no começo da vida sexual. De acordo com o urologista, Celso Gromatzky, em entrevista a revista, estudos sobre o assunto mostram que entre 25% e 50% dos jovens até 35 anos gozam antes do momento, pelo menos uma vez (ou até mais) durante esse período de vida.
Outro problema enfrentado pelos “bixos” do sexo é falhar na hora H. Ter tanta ansiedade que o “botão de subida” não rola. Isso, muitas vezes, faz com que os jovens tomem
Viagra, para prevenir constrangimentos. “É um comportamento perigoso, pois pode causar dependência psicológica”, afirma o urologista Wagner Ávila, em entrevista.
A impotência sexual é outro medo. Geralmente acontece com homens que passaram de 40 anos. Esse problema pode ocorrer até muito antes, mas, na maioria dos casos, há 90% de probabilidade de que seja psicológico. Porém, 52% dos homens entre 40 e 70 anos podem proporcionar algum grau de impotência, devido a diversas causas orgânicas: hipertensão, arteriosclerose, câncer de próstata ou reto, lesões neurológicas ou medulares, diabetes, alcoolismo, queda do hormônio testosterona ou por ação de medicamentos e conseqüências psicológicas.
Desempenho
Segundo o urologista Celso Marzano, em entrevista a Gloss, o desempenho também diferencia com o envelhecimento do organismo:
18 anos: 30 segundos de intervalo entre uma transa e outra.
40 anos: 10 minutos de intervalo.
Também é possível constatar essa característica no que diz respeito a ereção:
20 anos: três segundos de excitação sexual, onde o pênis pode atingir um ângulo de 110 graus.
40 anos: 20 segundos, alcançando até 95 graus.
70 anos: cinco minutos, 65 graus.
Entretanto, tudo isso depende da saúde física e emocional da pessoa, além da taxa hormonal e da excitação do momento.

Então, leitor, após esse amplo conhecimento que você obteve sobre as diferenças entre homens mais novos e mais velhos, qual será sua opção? Não aposte na moeda, sempre tenha em mente a satisfação pessoal, independente de qual seja a idade do seu parceiro.

Conte-nos sobre suas dúvidas e sugestões pelo e-mail blogpuravolupia@gmail.com e siga o @pura_volupia no Twitter

h1

Lingerie, sustente sua relação!

06/05/2010

Por Juliana Narimatsu

Caro leitor, estava eu decidindo o próximo tema que iria discutir no meu post, quando descobri, ao navegar pelo mar sem limites que é a Internet, várias facetas que uma lingerie pode gerar. Pois é, leitor, lingerie não é apenas um assessório necessário para o público feminino. Quando bem usado, tanto pode valorizar o corpo das mulheres, quanto pode dar aquele up na relação (ou no homem mesmo). Cores, estilos, tipos, modelos, histórias…existem tantas coisas que uma lingerie pode “sustentar”. Então, caro leitor, fique de olhos bem abertos, pois o Pura Volúpia irá discutir sobre a grande parceira das mulheres (tirada pelos homens): a lingerie.

Lá vem história…
Calcinhas, sutiãs, cintas-ligas, espartilhos e outras peças compõem o que chamamos de lingerie (ou roupa de baixo, peça íntima). A lingerie passou por muitas transformações, seguindo as mudanças culturais e atendendo as exigências do novo público feminino.
Os espartilhos, por exemplo, foram usados por mais de quatro séculos. Além de causar problemas a saúde, havia o desconforto e a obrigação de possuir aquela cinturinha tão desejada pelas mulheres da época. A versão antiga da calcinha seria a ceroula, tão utilizada no século 19 e que ia até abaixo do joelho (e o calor?). A cinta-liga apareceu na década de 20, para segurar as meias 7/8. Dançarinas do Charleston exibiam essa peça por baixo das saias cheias de franja, enquanto dançavam ao som das jazz-bands. Até os anos 30, a cinta-liga era a única peça disponível para prender as meias das mulheres; só na década de 40 é que as meias-calças chegaram às prateleiras.

Espartilho, cinta-liga, ceroula e sutiã

No século 20, acompanhando a moda das roupas justas e cinturas marcadas, houve o aparecimento do sutiã com armações de metal, cintas e corpetes para moldar o corpo feminino. A moda, conforme os anos, foi trazendo novidades em cores, materiais e estilos, tornando a lingerie cada vez mais confortável e durável, duas exigências que surgiram durante a vida moderna. Entretanto, o mundo fashion sempre vem renovando o que era do passado, fazendo com que os espartilhos e cintas-ligas continuem no guarda-roupa feminino.
Saiba mais: Bra-Burning – A história da queima dos sutiãs em 1968.

Vitrine
Pois é leitor, o mercado de lingeries dispõe de uma variedade E-N-O-R-M-E de estilos. Vamos conferir?
Super-básicos
Não diria que seria “a” peça ideal para apimentar a relação. Esses estão mais ligados ao conforto e a praticidade.
Neon
Cadê você? Como todos viram, as cores que pegaram nesse ano foram as fluorescentes; e, pensando nisso, a marca Pselda lançou um kit de lingeries nas cores fluor, como verde, roxo e rosa, além da confecção de camisinhas com as mesmas tonalidades.


Românticos
São aqueles bem delicados. Rosinhas, roxinhos, branquinhos, sempre acompanhados com estampas de flores e rendas. Certas lingeries que possuem esse ar romântico, também podem trazer a pitada caliente (santinha do pau oco!), então, aposte nessas peças para “provocar” a sua relação.
Sexy
Cheias de renda e transparência e com cores provocantes, essas lingeries são geralmente acompanhadas de camisolas e baby-dolls cheios de ousadia.
So Sexy!
Quanto menos, se quer mais! Aqui se encontram lingeries bem provocantes, grande parte feita de tecidos transparentes, onde os seios ficam visíveis. A parte de baixo se encontra as calcinhas fio-dental. Além dos corpetes e cintas-ligas, existem os macacões, maios e várias peças cheias de provocação. Algumas são acompanhadas de acessórios como máscaras, chicotes e buás; outras possuem na própria peça sinos, pom-pons e outros afins.
Nessa categoria entram as lingeries comestíveis – Leia mais: Deguste (uhmmm) –, e também as com o tema África (estampas de onça, zebra, cobra, entre outros).
Fantasiaaa no ar…
As fantasias podem ser outra uma alternativa para esquentar o relacionamento. Enfermeira, médica, bombeira, policial, salva-vidas podem resgatar seu companheiro a qualquer hora. A colegial e empregada doméstica fazem parte do arsenal de artigos eróticos. A mamãe-noel, a fadinha e até o Peter Pan também não ficaram de fora.

Depoimentos
De acordo com A. M., 21 anos, a lingerie é uma alternativa idela para solucionar os problemas de rotina na relação.
“E ajuda demais a sair da rotina!Antes de tudo uma mulher deve se sentir bem naquilo que se está vestindo,prq tem muitas mulheres que acabam usando algumas coisas pensando que vão agradar o parceiro,mas no fundo não se sentem bem com aquilo e isso tira definitivamente toda a beleza e sensualidade feminina que conseqüentemente não vai excitar muito o parceiro. Seja inovadora,mas mantenha sua simplicidade usando o que te deixa bem mas que tbm o impressione,mantenha o máximo de equilíbrio possível nessas horas,afinal,a maior beleza e sedução está em vc mesma!!!”
Da mesma forma concorda Isabela Schmall, gerente comercial da Intimitat Lingerie. Isabela acha muito importante escolher o modelo adequado, pois a escolha pode valorizar o corpo da mulher.
“Hoje em dia as lingeries se tornaram além de lindas, funcionais, ou seja, podem operar verdadeiros milagres, valorizando o que a mulher tem de mais bonito em seu corpo e disfarçando imperfeições. Na noite de núpcias é excelente poder contar com mais esta ajudazinha para realçar o poder da sedução feminina
“. 

Mercado
Não pense, caro leitor, que o mercado de lingeries está restringido apenas para o público feminino e da boa forma.
Um exemplo seria a modelo Katie Prince, do Reino Unido. Decidindo confeccionar uma coleção para mulheres que fogem do padrão de beleza (magras com tudo em cima), Katie criou lingeries ,cheias de estilo, para todo o tipo de corpo feminino, desde as gordinhas, até as com pouco seios.

O desfile

Saiba mais: Novo conceito em lingeries especializadas em tamanhos grandes.
O comércio de produtos eróticos também está apostando no público masculino. Segundo o site Sintaliga, é possível encontrar peças super-sexy e algumas fantasias para os homens, “Apesar da esmagadora maioria ser voltada ao público feminino, existem também algumas peças e modelos elaborados visando o público masculino. Nesse caso, os modelos que fazem mais sucesso são as fantasias de bombeiro e de médico, mas há também modelos mais inusitados, como cuecas tematizadas (muitas, inclusive, imitando animais como cobras), tapas-sexos e fantasias de heróis”.

Chá de Lingerie
É isso ae, leitor! Chá de panela/cozinha é coisa do passado! Agora, as mulheres modernas encontraram uma nova alternativa para as reuniões antes do casório. O chá de lingerie consiste em reunião de amigas, onde a prenda, em vez de utensílios domésticos, seria lingeries, preparando, assim, o enxoval para a lua-de-mel.

Dicas
Eis algumas dicas que podem te ajudar, caro leitor, na escolha da lingerie, para valorizar o que a mulher tem de mais bonito.
eios: Caso você queira aumentar e dar mais sustentação, compre sutiãs com bojos, espumas moldadas ou os push-up, que também aproximam e levantam os seios. Outra dica para dar um up é utilizar sutiãs com as alças com as alças cruzadas nas costas.
Bumbum: algumas mulheres optam pelo fio-dental para realçar e não marcar o bumbum. Outras utilizam as calcinhas que cobrem todo o bumbum, isso faz com que não se espalhe para os lados e nem fique marcado pelo elástico. Também existem as calcinhas com enchimento, que podem ajudar para dar aquela aumentada sem nenhum agulha.

Pois é, leitor, uma boa lingerie pode trazer belos benefícios em seu relacionamento.
Então, qual será a surpresinha de hoje a noite?
Leia mais: Uma viagem pelo soutien.

Conte-nos sobre suas dúvidas e sugestões pelo e-mail blogpuravolupia@gmail.com e siga o @pura_volupia no Twitter

h1

Informação é também prevenção!

29/04/2010

Por Juliana Narimatsu


(essa matéria foi uma sugestão de pauta. Faça a sua! Mande um e-mail para blogpuravolupia@gmail.com)

Jovens. Um casal. Sexo. 28 dias depois. “Como assim? Não desceu?!”. “Ainda não foi?”. Preocupação. Perguntas. Respostas. 28 dias e 8 meses depois. Pai, mãe.

A gravidez na adolescência é um tema sério e que vem se tornando cada vez mais freqüente no nosso país. Perguntas como as citadas acima, só permeiam a cabeça dos jovens, na maioria das vezes, depois de uma transa sem métodos contraceptivos ou, como muitos falam, depois de “um momento de desleixo”. Então, caro leitor, caso queira saber mais sobre esse assunto, eis o post certo para você, porque, cá entre nós, é bom prevenir e não correr riscos.

Gravidez na adolescência

Adolescência é uma fase transacional, entre a infância e a idade adulta. “É um período no qual ocorrem profundas mudanças, caracterizado por crescimento rápido, surgimento das características sexuais secundárias, conscientização da sexualidade, estruturação da personalidade, adaptação ambiental e integração social”, conforme relata Marta Diógenes, Professora de Ginecologia e Obstetrícia da USP de Ribeirão Preto.
A gravidez é um período de desenvolvimento do embrião na mulher, onde se acompanha mudanças físicas – como o crescimento do útero e mudanças nas mamas – e mentais – como o futuro da criança e a responsabilidade como mãe.
Assim, quando combinados esses dois períodos, várias questões começam a surgir. Os adolescentes envolvidos não estão preparados – emocionalmente, psicologicamente e financeiramente (todos os –mentes) – para assumirem a responsabilidades de serem pais. Além disso, a gravidez na adolescência depende muito da família, ou melhor, de sua aceitação. Caso haja uma rejeição dos familiares, criando conflitos, o adolescente terá uma experiência difícil e traumática, podendo ter como conseqüência o aborto, o abandono do bebê ou até o suicídio da adolescente.
Além da gravidez em si, é preciso também levar a sério o próprio parto, pois este pode ser dificultado por problemas anatômicos e comuns na adolescente, como o tamanho e conformidade da pelve e elasticidade dos músculos uterinos, por exemplo.

Por quê?
Conforme Cartilha de Gravidez na Adolescência fornecida pelo portal São Francisco, os principais fatores que causam a gravidez na adolescência são:
– O desconhecimento de métodos anticoncepcionais.
– A falta de comunicação. Grande maioria dos jovens possui dificuldades em assumir sua vida sexual ativa, deixando, assim, de conhecer métodos mais eficazes ou utilizando outros com baixa eficiência.
– Uso de drogas e bebidas alcoólicas.
– Engravidar para se casar.

Depoimentos
Muitas adolescentes, apesar dos problemas que tiveram com a gravidez, ainda persistem em ser mães pela segunda vez, como é o caso de Aline Barbosa, 21 anos, que teve seu primeiro filho, Daniel, aos 16. Agora, está grávida pela segunda vez. Aline, que trabalha como secretária, mora com a mãe e não tem contato com nenhum dos dois pais das crianças. “Muitas pessoas me cobraram, dizendo que eu deveria ter aprendido com o erro. Mas não vejo assim. A gravidez aconteceu e agora tenho que cuidar deles”. Outra jovem que também enfrenta esse mesmo momento é Sheila, 16 anos com um filho de 11 meses. “Recebi apoio da minha mãe e do meu namorado. Minha filha não impede de fazer nada; trabalho, estudo e faço cursos e ainda tenho a minha casa”.
Ainda assim, existem adolescentes que abandonam seus sonhos quando ficam grávidas, como é o caso de Suzie Navarro, 17, que abandonou os estudos para se dedicar ao filho e ao trabalho. “Eu cuido dele sozinha. Dou banho, mamadeira, levo ao pediatra, coloco para dormir. Meu namorado também me ajuda bastante”. Suzie mora com os sogros, mas, mesmo assim, foi preciso abandonar seus projetos para dar conta dos gastos com o bebê, “Agora, achei uma escola que dá para acabar o Terceiro Ano em um mês”, conta Suzie, que, depois que seu filho completar um ano, planeja continuar seus planos como uma família.

Dados
De acordo com dados disponibilizados, recentemente, pelo Ministério da Saúde, o número de jovens grávidas vem diminuindo conforme os anos. De 2005 a 2009 houve uma queda de 22,4% de partos em adolescentes de 10 a 19 anos. Em São Paulo, entre 1998 a 2008, o número de jovens grávidas caiu 36,2%.
Segundo a pesquisa feita por Patrícia Barreto, psicóloga clínica, a cada ano, cerca de um milhão de adolescentes engravidam no Brasil. Atualmente, uma em cada 10 mulheres, de 15 a 19 anos, já tem dois filhos; já na faixa dos 19 anos, uma em três já possui um filho ou está grávida.

Prevenção
O Ministério da Saúde relata que a queda do número de adolescentes grávidas se deu pelas campanhas destinadas aos jovens. No ano passado, houve um investimento de R$3 milhões nas ações de educação sexual e na oferta de preservativos que podem ser adquiridos em quaisquer postos de saúde (Só para se ter uma idéia, nos últimos dois anos foram distribuídas 871,2 milhões de camisinhas para a população). Nesses locais, o adolescente também pode encontrar apoio de um profissional qual é o método contraceptivo mais adequado, além de dar orientações sobre a sua saúde sexual.
Em 2008 surgiu o Programa Saúde na Escola (PSE) cujo objetivo é fazer com que os alunos de ensino médio tenham conscientização sobre a prevenção de DSTs – doenças sexualmente transmissíveis – e da gravidez
Ano passado houve a criação das Cadernetas de Saúde do Adolescente. A cartilha possui informações sobre temas essenciais para os jovens como: alimentação, saúde sexual e reprodutiva e o uso de drogas. A previsão para esse ano é distribuir cinco milhões nos postos de saúde.
Também existem campanhas feitas por instituições ou pelas próprias igrejas e escolas de bairro. Um exemplo é o Projeto Vale Sonhar – Prevenção de Gravidez na Adolescência criada em 2004 pelo Instituto Kaplan e parcerias. Tal projeto atua em nas escolas de ensino médio dos 14 municípios do Vale do Ribeira.

Mais informações
A mídia vem abordando esse tema, sendo mais um meio de prevenir os adolescentes sobre a gravidez.

Filme “Juno”: mostra uma menina, Juno, de 16 anos que engravida em sua primeira transa com o companheiro de classe, Bleeker. Após muitos questionamentos, Juno decide abandonar a idéia de fazer um aborto e encontrar uma melhor solução para a sua gravidez.

Documentário “As Meninas”: relata a vida de três garotas, Evelin, 13 anos; Edilene, 14 anos e Luana, 15 anos. Ao longo de um ano é acompanhado a gravidez dessas três jovens e as conseqüências que trouxe em suas vidas.

Se você quiser ver o documentário inteiro entre aqui.

Conte-nos sobre suas dúvidas e sugestões pelo e-mail blogpuravolupia@gmail.com e siga o @pura_volupia no Twitter!

h1

Poliamor: uma nova forma de relacionamento

22/04/2010

Por Juliana Narimatsu

Caro leitor, você sabe o que é Poliamorismo? Pois é, caso você não esteja satisfeito com a sua relação, o poliamor pode ser a solução dos seus problemas. Então, leitor, se acomode na frente do seu computador, pois o Pura Volúpia irá discutir sobre esse assunto.

O que é?
A tradição monogâmica acredita que a cada indivíduo cabe uma “alma gêmea” (a metade da laranja…), ou seja, um parceiro ideal que irá suprir todas as necessidades. Já o poliamorismo é um termo que descreve as relações interpessoais amorosas que não crêem nesse princípio da monogamia; e sim, na possibilidade prática, sustentável, consciente e responsável de se relacionar com vários parceiros simultaneamente. Assim, o poliamor é estar aberto para a possibilidade de gostar e relacionar com mais de uma pessoa ao mesmo tempo.
O poliamor tem como ideal admitir uma variedade de sentimentos que desenvolvem com vários parceiros e que vão além da relação sexual. Para os poliamoristas, segundo Cartilha divulgada no Terra, o sexo é um complemento secundário.
A base do poliamorismo é a honestidade e o compromisso entre os envolvidos. A fidelidade dos parceiros não se refere à posse do outro, e sim à confiança mútua no envolvimento e que estejam a par da situação, sempre confortáveis com ela.
O fato de um ou ambos os parceiros sentirem interesse por outras pessoas não implica na insuficiência ou inadequação do parceiro inicial. Na verdade, significa que há a possibilidade de desenvolver um outro e novo relacionamento, com diferentes níveis de interação com a relação pré-existente, mas que não anula sua importância.
O ciúmes é algo que intriga em qualquer relacionamento, pois é visto como a insegurança entre os parceiros. Assim, segundo a Cartilha, os poliamoristas devem aprender a lidar com o ciúmes e saber dividir seu relacionamento.

Um pouco de história
O poliamor como movimento surgiu em meados dos anos 80 nos Estados Unidos. Na Europa, movimentos começaram a crescer na Suíça, Alemanha e Reino Unido.

Passeata em São Francisco, 2004.

Em novembro de 2005 houve a primeira Conferência Internacional sobre Poliamor – Internacional Conference on Polyamory & Mono-Normativity – em Hamburgo, na Alemanha.
A Conferência debateu questões como: que tipo de regras devem ser estabelecidas em relações múltiplas, qual é a responsabilidade das pessoas que querem manter vários parceiros sexuais, ou, como lidar com o ciúmes.
“Eu vim para ver e conhecer as pessoas que amam mais do que uma pessoa.”, comentou uma participante suíça, “Onde vivo, conheço muita pouca gente que compreenda realmente o meu modo de vida. Mas, aqui, não sou a única, e tenho a oportunidade de aprender muito de outras pessoas que seguem o mesmo modelo polifidelidade de vida que eu.”.

Saiba mais: International Conference on Polyamory and Mono-Normativity, Memorandum Gwendolin Altenhöfer for SERGEJ.

Diferenciais
Você, caro leitor, deve estar se perguntando qual seria, então, a diferença entre poliamorismo, poligamia e relação aberta.
A poligamia, praticada em algumas culturas, é o casamento de uma pessoa com várias outras simultaneamente. Já o poliamorismo, como já dito, é você amar e ser amado por mais de um parceiro ao mesmo tempo.
Para a psicanalista, sexóloga e escritora Regina Navarro Lins, um relacionamento poliamorista não pode ser considerado necessariamente um relacionamento aberto. “No relacionamento aberto cada um pode sair, ter sua vida, independentemente do outro, e você pode comentar ou não sobre as outra pessoas com as quais se relacionou. Mas a maioria não comenta, pois hoje ainda geraria sofrimento ao saber. O poliamor vai além, ele pretende que seja natural para todo mundo, amar e ser amado por outra pessoa. Os poliamoristas alegam que o ciúme não existiria na medida em que você não será trocado por outro, porque você não precisaria abrir Mao de ninguém para estar com outra pessoa. Por esses motivos eu acredito que a relação aberta se diferencia do poliamor, porque esse é muito mais aberto e tranqüilo”.

Vantagens e desvantagens (Segundo a Cartilha)
Vantagens: redução de stress, economia doméstica – pois envolve mais de duas pessoas –, maior satisfação sexual, aprendizado de tolerância, clareza dos sentimentos, paz de espírito afetivo e educação conjunta dos filhos.
Desvantagens: casa maior, faz necessário possuir habilidade de negociação, aprender a lidar com o repúdio e a incredulidade social, além do ciúmes e sentimento de posse.

Adeptos e não adeptos
Questionamos a algumas pessoas sobre o poliamorismo e se elas gostariam de adotar esse tipo de relacionamento na sua vida. “Não, de jeito nenhum. Eu acho que quando estou com uma pessoa, eu quero a atenção dela só pra mim.”, fala L. M., 19 anos.
Grande parte dos “não praticantes” do poliamor acham que esse tipo de relação é impossível de ser duradoura. “Eu não gostaria. Mas se possui um consentimento não vejo problema. Eu acho que não dá certo, porque uma hora a pessoa pode trocar seu parceiro por outro”, comenta R. F., 19 anos. O mesmo pensa Hypatia, participante do fórum do Yahoo respostas “Não acho que esse tipo de relacionamento seja a melhor opção, pois haveria quantidade e não qualidade”.
Entretanto, os poliamoristas mostram o contrário. De acordo com Diana, 31, após ter decidido adotar o poliamor em sua vida, por sugestão do namorado, tudo ficou melhor, “Apesar do amor que sentimos um pelo outro, a curiosidade natural de experimentar outras pessoas veio à tona e o conflito entre amor e curiosidade foi muito forte. Mas eu não queria me casar com um homem que passaria o resto da vida frustrado e que isso o afetasse demais, poderia ocasionar traições. Foi difícil chegar a essa decisão, mas foi o melhor”. Da mesma maneira pensa Marceli, 25, que se relaciona com um homem e uma mulher, onde moram juntos e funcionam a três anos, “Há quem pense em orgia ou promiscuidade, mas é uma relação baseada na cumplicidade, respeito e sinceridade. É viver sem mentiras nem com o peso da culpa por manter um caso extraconjugal”.
Segundo a advogada Lindsay Custódio, 27 anos, uma pessoa não é capaz de complementar a outra. “Já permiti que meu ex-namorado tivesse um relacionamento com outra pessoa. Não me incomodaria, nem me sentiria culpada em conhecer outra pessoa, assim como adoraria que aceitassem o fato de eu poder me relacionar com outra pessoa ao mesmo tempo”, relata Lindsay, “A maioria das pessoas não aceitam esse tipo de comportamento, seja por razões religiosas ou devido à errônea crença de que amor requer exclusividade”.

Mais informações
Para aqueles que querem saber um pouco mais sobre esses diferentes tipos de relações amorosas – entre eles, o poliamorismo –, existem alguns livros que tratam sobre esse assunto, como, por exemplo, “Amor a Três” de Flávio Braga e Regina Navarro Lins; e “Dona Flor e seus dois maridos” de Jorge Amado

Livro "Amor a Três"

Também existem alguns filmes que se basearem nesse tipo de relacionamento, como “The Dreamers” e “Les Chansons d’amour”.

Conte-nos sobre suas dúvidas e sugestões pelo e-mail blogpuravolupia@gmail.com e siga o @pura_volupia no Twitter!

h1

Vai uma comidinha ae?

15/04/2010

Por Juliana Narimatsu 

Pois é, caro leitor, a quinta-feira continua ainda no clima da gastronomia erótica.
Hoje discutiremos um assunto que pode ser uma “mão na roda” ou na panela mesmo para dar aquela apimentadinha na sua relação: as comidas afrodisíacas (delícia, he-he-he). Então leitor, lápis e papel na mão, pois o Pura Volúpia irá te oferecer um fabuloso cardápio para dar aquela pré-aquecida nos seus momentos a dois.
Lembrete: qualquer atividade física requer repouso de uma hora depois das refeições (ha-ha-ha).   

As comidas afrodisíacas são consideradas como estimulantes do desejo sexual, pois dão uma acelerada geral na circulação, principalmente nas regiões sexuais, aumentando as intensidades das sensações de prazer. “A ativação da libido se dá por causa do estímulo que esses alimentos promovem na corrente sanguínea”, comenta a nutricionista Andréa Andrade.
De acordo com Luciano Andrade, professor, a utilização dos alimentos afrodisíacos é essencial para sair da rotina. “Sou casado há dois anos e meio e acho que os encontros amorosos regados a alimentos afrodisíacos ficam muito mais estimulantes”.  

Afrodite, Afrodite, Afrodite…a deusa do amor!
Para aqueles que não sabem, a palavra afrodisíaco vem de Afrodite, a deusa do amor na mitologia grega. A lenda nos conta que Afrodite nasceu da espuma do mar após o deus Cronos ter castrado seu pai e jogado suas genitais na água. Devido a isso, surge também a crença de que todos os alimentos vindos do mar são afrodisíacos. 

 
 
 

Estátua de Afrodite, deusa do amor.

Quer dar uma olhadinha no cardápio? (Saboreie com moderação!)
Açafrão: especiaria de cor amarela ou vermelha com sabor amargo. Utilizada na forma de pó ou ramos, tal condimento é imprescindível num bom prato espanhol como a paella. O açafrão aumenta o batimento cardíaco e o suor, além dos sinais de excitação sexual.
Alho: além do bafinho o alho pode auxiliar na melhora do fluxo do sangue e na prolongação da ereção. Devido ao aumento da circulação, ainda há a possibilidade de aumentar a lubrificação da mulher.
Anis: planta com flores brancas e sementes pequenas e aromáticas. Utilizado como confeitos ou para temperos, essências, licores e xaropes. No Oriente Médio o anis era utilizado para incitar o amor aos recém casados e para curar a impotência.
Arroz: assim como o trigo e o milho, é considerado como símbolo de fertilidade; por essa razão que o arroz é jogado nos recém casados.
Aspargo: classificado como afrodisíaco por conter vitamina B3 – que promove a dilatação dos vasos sanguíneos, inclusive os dos genitais. Pode também ter a capacidade de prolongar a ereção e aumentar a lubrificação da mulher. Além disso, o aspargo também é rico em vitamina E, responsável por aumentar o trabalho dos hormônios. O aspargo entra na categoria das “similaridades”, pois, associam aspargo com o sexo devido a sua semelhança com o órgão genital masculino. Entretanto, um lembrete, comê-lo em excesso pode ser prejudicial, pois causa flatulência.
Banana: além da forma, a banana é rica em magnésio e contém a enzima bromelina, na qual parece aumentar a libido masculina. A fruta também é importante por promover a vasodilatação e aumentar o desempenho sexual. Auxilia ainda na produção de serotonina que provoca a sensação de felicidade.


Café:
rico em cafeína gera ação estimulante.
Chocolate: conforme o post de Caroline Tardioli nos relata, sexo e chocolate, melhores parceiros. Em forma de cacau puro, tal iguaria possui uma substância, a flavonóide, responsável por aumentar os níveis de óxido nítrico em nosso organismo que dilata as artérias promovendo uma sensação agradável para as pessoas acima dos 50 anos. Além de ter propriedades estimulantes, o chocolate eleva a produção de endorfina e serotonina, que dá a sensação de prazer e felicidade. Também há a presença da feniletilamina que é capaz de estimular o hipotálamo, induzindo a sensações agradáveis. Era a bebida sagrada dos astecas e estava relacionada a deusa da fertilidade, Xachiquetzal.
Observação: a loja Cacau Show lançou uma linha Chocoterapia para casais, com os mais diversos sabores como pimenta, erva-doce, café, canela e erva cidreira, apostando nesse alimento afrodisíaco.

 
 
 

Linha Chocoterapia

Especiarias: cravo da índia – seu arome tem poder de despertar desejo, além de ser um excelente digestivo, a noz moscada, o ginseng, a canela e a mostarda, são alguns condimentos que podem provocar o aumento da secreção de lubrificante vaginal e da produção da testosterona no homem.
Frutos do Mar: grande parte dos alimentos vindos do mar são ricos em zinco, principalmente a ostra. Um mineral importante na fabricação de secreções, como a lubrificação feminina; além de compor o hormônio testosterona que estimula a libido. Ajuda no tratamento de infertilidade do homem, porque aumenta o número e a mobilidade dos espermatozóides.
Gengibre: associado a ação de estimulante no sangue, a raiz gengibre ajuda na prolongação da função erétil e a estimulação da lubrificação feminina.
Maçã: (o fruto proibido) principalmente a do tipo peruana, conhecida como o Viagra dos Incas, pode auxiliar no fluxo sanguíneo na zona pélvica masculina e feminina. Também pode possuir a capacidade de provocar a mobilidade dos espermatozóides e do volume seminal. Além disso, a maçã confere o bom hálito.


Oleaginosas: são as castanhas, nozes, amêndoas e avelãs. Possuem arginina e a vitamina B3 onde promove a vasodilitação que aumenta a libido. 
Pimenta: (ui! caliente!) principalmente a cayenna; a pimenta é conhecida como agente excitante por estimular a circulação sanguínea. 

Novas! 
De acordo com o Site Abril, os colombianos criaram um mousse afrodisíaco com Viagra. Tal sobremesa foi apresentada durante um evento em Bogotá. O objetivo dos estudantes era criar uma comida para a terceira idade. Com sabor de maracujá, a criação só foi parar na exposição. 
“Elas comem devagarzinho, saboreando cada colherada. Depois de alguns minutos, elas dizem que sentem cócegas gostosas”, disse Juan Sebastian Gomez, um dos criadores da comida. 

Mousse de maracúja com viagra.

Essa, caro leitor, foi uma pequena amostra dos alimentos classificados como afrodisíacos. E, enquanto os cientistas mentem e desmentem sobre os mistérios dessa gastronomia a La Afrodite, você, caro leitor, pode provar e aprovar dessas deliciosas comidinhas… então, qual será o pedido desta noite? 

Conte-nos sobre suas dúvidas e sugestões pelo e-mail blogpuravolupia@gmail.com e siga o @pura_volupia no Twitter!