h1

Informação é também prevenção!

29/04/2010

Por Juliana Narimatsu


(essa matéria foi uma sugestão de pauta. Faça a sua! Mande um e-mail para blogpuravolupia@gmail.com)

Jovens. Um casal. Sexo. 28 dias depois. “Como assim? Não desceu?!”. “Ainda não foi?”. Preocupação. Perguntas. Respostas. 28 dias e 8 meses depois. Pai, mãe.

A gravidez na adolescência é um tema sério e que vem se tornando cada vez mais freqüente no nosso país. Perguntas como as citadas acima, só permeiam a cabeça dos jovens, na maioria das vezes, depois de uma transa sem métodos contraceptivos ou, como muitos falam, depois de “um momento de desleixo”. Então, caro leitor, caso queira saber mais sobre esse assunto, eis o post certo para você, porque, cá entre nós, é bom prevenir e não correr riscos.

Gravidez na adolescência

Adolescência é uma fase transacional, entre a infância e a idade adulta. “É um período no qual ocorrem profundas mudanças, caracterizado por crescimento rápido, surgimento das características sexuais secundárias, conscientização da sexualidade, estruturação da personalidade, adaptação ambiental e integração social”, conforme relata Marta Diógenes, Professora de Ginecologia e Obstetrícia da USP de Ribeirão Preto.
A gravidez é um período de desenvolvimento do embrião na mulher, onde se acompanha mudanças físicas – como o crescimento do útero e mudanças nas mamas – e mentais – como o futuro da criança e a responsabilidade como mãe.
Assim, quando combinados esses dois períodos, várias questões começam a surgir. Os adolescentes envolvidos não estão preparados – emocionalmente, psicologicamente e financeiramente (todos os –mentes) – para assumirem a responsabilidades de serem pais. Além disso, a gravidez na adolescência depende muito da família, ou melhor, de sua aceitação. Caso haja uma rejeição dos familiares, criando conflitos, o adolescente terá uma experiência difícil e traumática, podendo ter como conseqüência o aborto, o abandono do bebê ou até o suicídio da adolescente.
Além da gravidez em si, é preciso também levar a sério o próprio parto, pois este pode ser dificultado por problemas anatômicos e comuns na adolescente, como o tamanho e conformidade da pelve e elasticidade dos músculos uterinos, por exemplo.

Por quê?
Conforme Cartilha de Gravidez na Adolescência fornecida pelo portal São Francisco, os principais fatores que causam a gravidez na adolescência são:
– O desconhecimento de métodos anticoncepcionais.
– A falta de comunicação. Grande maioria dos jovens possui dificuldades em assumir sua vida sexual ativa, deixando, assim, de conhecer métodos mais eficazes ou utilizando outros com baixa eficiência.
– Uso de drogas e bebidas alcoólicas.
– Engravidar para se casar.

Depoimentos
Muitas adolescentes, apesar dos problemas que tiveram com a gravidez, ainda persistem em ser mães pela segunda vez, como é o caso de Aline Barbosa, 21 anos, que teve seu primeiro filho, Daniel, aos 16. Agora, está grávida pela segunda vez. Aline, que trabalha como secretária, mora com a mãe e não tem contato com nenhum dos dois pais das crianças. “Muitas pessoas me cobraram, dizendo que eu deveria ter aprendido com o erro. Mas não vejo assim. A gravidez aconteceu e agora tenho que cuidar deles”. Outra jovem que também enfrenta esse mesmo momento é Sheila, 16 anos com um filho de 11 meses. “Recebi apoio da minha mãe e do meu namorado. Minha filha não impede de fazer nada; trabalho, estudo e faço cursos e ainda tenho a minha casa”.
Ainda assim, existem adolescentes que abandonam seus sonhos quando ficam grávidas, como é o caso de Suzie Navarro, 17, que abandonou os estudos para se dedicar ao filho e ao trabalho. “Eu cuido dele sozinha. Dou banho, mamadeira, levo ao pediatra, coloco para dormir. Meu namorado também me ajuda bastante”. Suzie mora com os sogros, mas, mesmo assim, foi preciso abandonar seus projetos para dar conta dos gastos com o bebê, “Agora, achei uma escola que dá para acabar o Terceiro Ano em um mês”, conta Suzie, que, depois que seu filho completar um ano, planeja continuar seus planos como uma família.

Dados
De acordo com dados disponibilizados, recentemente, pelo Ministério da Saúde, o número de jovens grávidas vem diminuindo conforme os anos. De 2005 a 2009 houve uma queda de 22,4% de partos em adolescentes de 10 a 19 anos. Em São Paulo, entre 1998 a 2008, o número de jovens grávidas caiu 36,2%.
Segundo a pesquisa feita por Patrícia Barreto, psicóloga clínica, a cada ano, cerca de um milhão de adolescentes engravidam no Brasil. Atualmente, uma em cada 10 mulheres, de 15 a 19 anos, já tem dois filhos; já na faixa dos 19 anos, uma em três já possui um filho ou está grávida.

Prevenção
O Ministério da Saúde relata que a queda do número de adolescentes grávidas se deu pelas campanhas destinadas aos jovens. No ano passado, houve um investimento de R$3 milhões nas ações de educação sexual e na oferta de preservativos que podem ser adquiridos em quaisquer postos de saúde (Só para se ter uma idéia, nos últimos dois anos foram distribuídas 871,2 milhões de camisinhas para a população). Nesses locais, o adolescente também pode encontrar apoio de um profissional qual é o método contraceptivo mais adequado, além de dar orientações sobre a sua saúde sexual.
Em 2008 surgiu o Programa Saúde na Escola (PSE) cujo objetivo é fazer com que os alunos de ensino médio tenham conscientização sobre a prevenção de DSTs – doenças sexualmente transmissíveis – e da gravidez
Ano passado houve a criação das Cadernetas de Saúde do Adolescente. A cartilha possui informações sobre temas essenciais para os jovens como: alimentação, saúde sexual e reprodutiva e o uso de drogas. A previsão para esse ano é distribuir cinco milhões nos postos de saúde.
Também existem campanhas feitas por instituições ou pelas próprias igrejas e escolas de bairro. Um exemplo é o Projeto Vale Sonhar – Prevenção de Gravidez na Adolescência criada em 2004 pelo Instituto Kaplan e parcerias. Tal projeto atua em nas escolas de ensino médio dos 14 municípios do Vale do Ribeira.

Mais informações
A mídia vem abordando esse tema, sendo mais um meio de prevenir os adolescentes sobre a gravidez.

Filme “Juno”: mostra uma menina, Juno, de 16 anos que engravida em sua primeira transa com o companheiro de classe, Bleeker. Após muitos questionamentos, Juno decide abandonar a idéia de fazer um aborto e encontrar uma melhor solução para a sua gravidez.

Documentário “As Meninas”: relata a vida de três garotas, Evelin, 13 anos; Edilene, 14 anos e Luana, 15 anos. Ao longo de um ano é acompanhado a gravidez dessas três jovens e as conseqüências que trouxe em suas vidas.

Se você quiser ver o documentário inteiro entre aqui.

Conte-nos sobre suas dúvidas e sugestões pelo e-mail blogpuravolupia@gmail.com e siga o @pura_volupia no Twitter!

One comment

  1. Minha sugestão!!!
    Adorei a matéria Ju, está muito bem escrita.
    Nunca é tarde para dar dicas como essas ^^
    Um beijo a todas vcs!
    =*



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: